.




A existência de Deus e a Causa Primeira

.
Pequeno trecho do primeiro capítulo do livro Porque não sou cristão de Bertrand Russell , um dos mais influentes matemáticos, filósofos e lógicos que viveram no século XX. O texto é de uma palestra proferida em 6 de março de 1927, na Prefeitura Municipal de Battersea, sob os auspícios da Seção do Sul de Londres da National Secular Society.   Em 1950 Bertrand Russell ganhou o Premio Nobel da Literatura,  «em reconhecimento de numerosos trabalhos da sua autoria em que se defendem os ideais mais elevados».

 

A existência de Deus


Esta questão da existência de Deus é assunto longo e sério e, se eu tentasse tratar do tema de maneira adequada, teria de reter-vos aqui até o advento do Reino dos Céus, de modo que me perdoareis se o abordar de maneira um tanto sumária. Sabeis, certamente, que a Igreja Católica estabeleceu como dogma que a existência de Deus pode ser provada sem ajuda da razão. É esse um dogma um tanto curioso, mas constitui um de seus dogmas. Tiveram de introduzi-lo porque, em certa ocasião, os livre-pensadores adotaram o hábito de dizer que havia tais e tais argumentos que a simples razão poderia levantar contra a existência de Deus, mas eles certamente sabiam, como uma questão de fé, que Deus existia. Tais argumentos e razões foram minuciosamente expostos, e a Igreja Católica achou que devia acabar com aquilo. Estabeleceu, por conseguinte, que a existência de Deus pode ser provada sem ajuda da razão, e seus dirigentes tiveram de estabelecer o que consideravam argumentos capazes de prová-lo. Há, por certo, muitos deles, mas tomarei apenas alguns.

O argumento da Causa Primeira


Talvez o mais simples e o mais fácil de compreender-se seja o argumento da Causa Primeira. (Afirma-se que tudo o que vemos neste mundo tem uma causa e que, se retrocedermos cada vez mais na cadeia de tais causas, acabaremos por chegar a uma Causa Primeira, e que a essa Causa Primeira se dá o nome de Deus). Esse argumento, creio eu, não tem muito peso hoje em dia, em primeiro lugar porque causa já não é bem o que costumava ser. Os filósofos e os homens de ciência têm martelado muito a questão de causa, e ela não possui hoje nada que se assemelhe à vitalidade que tinha antes; mas, à parte tal fato, pode-se ver que o argumento de que deve haver uma Causa Primeira é um argumento que não pode ter qualquer validade. Posso dizer que quando era jovem e debatia muito seriamente em meu espírito tais questões, eu, durante longo tempo, aceitei o argumento da Causa Primeira, até que certo dia, aos dezoito anos de idade, li a Autobiografia de John Stuart Mill, lá encontrando a seguinte sentença: “Meu pai ensinou-me que a pergunta ‘Quem me fez?’ não pode ser respondida, já que sugere imediatamente a pergunta imediata: ‘Quem fez Deus?’” Essa simples sentença me mostrou, como ainda hoje penso, a falácia do argumento da Causa Primeira. Se tudo tem de ter uma causa, então Deus deve ter uma causa.
Se pode haver alguma coisa sem uma causa, pode muito bem ser tanto o mundo como Deus, de modo que não pode haver validade alguma em tal argumento.
Este, é exatamente da mesma natureza que o ponto de vista hindu, de que o mundo se apoiava sobre um elefante e o elefante sobre uma tartaruga, e quando alguém perguntava: “E a tartaruga?”, o indiano respondia: “Que tal se mudássemos de assunto?”. O argumento, na verdade, não é melhor do que este. Não há razão pela qual o mundo não pudesse vir a ser sem uma causa; por outro lado, tampouco há qualquer razão pela qual o mesmo não devesse ter sempre existido. Não há razão, de modo algum, para se supor que o mundo teve um começo. A ideia de que as coisas devem ter um começo é devido, realmente, à pobreza de nossa imaginação. Por conseguinte, eu talvez não precise desperdiçar mais tempo com o argumento acerca da Causa Primeira.

Você pode baixar o livro em arquivo pdf Porque não sou cristão clicando AQUI



Ou clique na imagem e encontre o arquivo em seu computador e boa leitura

.

Baixe o livro para seu computador

.

. .
 . 
.
Share on Google Plus

About Elma.C

Livre pensadora.▃▃ Sou uma mulher que percorre um caminho onde o racionalismo não tem meio termo, que enfrenta as intercorrências de suas próprias escolhas sem culpar-se ou aos outros na busca por justificativas, acreditando que será sempre uma aprendiz onde a existência é um eterno descobrir. Sou uma cidadã brasileira e acho que o melhor lugar do mundo está dentro do nosso próprio interior onde temos o poder de nos libertar ou aprisionar. ✔
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 Ponderações:

  1. Ora Ana, esse ainda não conhecia, obrigada por disponibilizar, só pelo trecho já gostei da prosa!

    ResponderExcluir
  2. Shirley
    Tenho esse livro que baixei já alguns meses, mas, não li todo ainda. Encontro uma certa dificuldade para ler livros pelo computador devido ao desconforto por ter que estar por um bom tempo sentada e de olhos grudados na tela. Ler em livro tradicional é muito mais confortável, a gente pode estar sentada ou recostada num sofá, afinal é um livro como os outros no conteúdo, mas é preciso muita disposição para suportar um tempo normal de leitura numa só posição.
    Mas, ler Bertrand Russel é gratificante em qualquer ocasião.

    Um abraço

    ResponderExcluir

♡ ♡ ♡Obrigada pela visita.